A Organização Mundial da Saúde (OMS) destacou a importância da realização de testes laboratoriais para a rápida detecção do coronavírus. A instituição frisou ser uma questão vital a distribuição de kits de diagnóstico para o mundo todo.

“Sem capacidade de diagnóstico, os países ficam no escuro: não sabem até que ponto e por que o vírus se espalhou e quem tem coronavírus, ou outra doença com sintomas semelhantes”, declarou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

De acordo com a OMS, até agora 168 laboratórios em diversas partes do mundo, com tecnologia assertiva para diagnosticar o coronavírus, já receberam os kits. Entre os países estão Camarões, Costa do Marfim, República Democrática do Congo, Egito, Etiópia, Gabão, Gana, Irã, Quênia, Marrocos, Nigéria, Tunísia, Uganda e Zâmbia. Outro carregamento, com 150 mil testes, deverá rumar para mais de 80 laboratórios no globo.

Os exames atuais realizados por laboratórios de referência estão baseados na detecção do código genético do novo coronavírus e podem identificar a infecção antes da produção de anticorpos. Os resultados são obtidos até cinco horas. Os testes utilizam amostras de mucosas (nariz), sangue, fezes e urina. Em hospitais, a amostra pode ser coletada por lavagem broncoalveolar, visto o caráter de urgência.

Atualmente, a técnica mais usada é a RT-PCR, método de amplificação de material genético viral. (Com informações do Estado de Minas – 12.02.20)